Navegue
por categorias

Melhores lugares no mundo para observar o céu

Quem vive nas metrópoles, pouco aprecia a beleza do céu. A iluminação artificial das cidades, poluição e outras interferências geográficas impedem a visualização da diversidade de estrelas, constelações e até planetas possíveis de serem vistos a olho nu. No entanto, alguns destinos no mundo, que combinam perfeitamente com viagens de aventura, têm as melhores condições para se encantar com o esplendor do céu.

Eduardo Cypriano, Professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo, conta que os melhores lugares mais altos, com o maior número de noites por ano, além da baixa turbulência e movimentos caóticos do ar, causando um efeito parecido com uma “miragem”, são os melhores lugares para “alcançar as estrelas”. “Nesses locais, estão instalados os melhores telescópios para estudo astronômico e, consequentemente, são os melhores lugares para visualizar as estrelas também sem equipamentos profissionais e sofisticados”, comenta Eduardo. 

Que tal conhecer esses destinos para planejar a próxima viagem astronômica?

Deserto do Atacama - No hemisfério sul é um dos melhores pontos para observar o céu. A boa altitude, poucas nuvens e mínima poluição somam as condições ideais para visualização das estrelas. Por conta disso, o destino é conhecido pelo turismo astronômico e abriga alguns hotéis adaptados para ampliar a experiência dos hospedes como o Elqui Domos, além de agências que fazem passeios com esse foco. Esse deserto possui diversos observatórios com altitudes variadas como o observatório profissional Cerro Tololo.

Havaí - É no topo do vulcão Mauna Kea que está o maior observatório astronômico do mundo. É aproximadamente 2000 metros mais alto que o Cerro Tololo, chegando a 4207m de altura. Lá os telescópios são operados por astrônomos de onze países, que estudam estrelas, planetas e galáxias. O observatório pode ser visitado durante o dia e o espetáculo noturno é assistido por passeios guiados, como os organizados pelo Mauna Kea Summit Adventures.

Ilhas Canárias - Nomeada Reserva da Biosfera da Unesco, a região possui áreas completamente desertas que possibilitam ver o esplendor do céu na costa africana. No município de Santiago del Teide, no noroeste da Ilha, está o Miradouro de Masca, onde se chega até de carro e pode-se acampar para ver o céu ao longo da noite. Já a ilha vulcânica de La Palma tem um céu que impressiona de tão limpo. Mas em Tenerife é que está instalado mais um dos telescópios solares mais bacanas do mundo.

Deserto dos EUA - No oeste americano há diversos lugares escuros entre parques nacionais e áreas preservadas e protegidas, distantes da iluminação artificial das grandes cidades. O Novo México, por exemplo, possui um observatório astronômico onde os visitantes podem alugar cabines e passar a noite observando as estrelas. No Deserto de Sonora, há excursões noturnas partindo principalmente do estado de Phoenix, no Arizona. O céu também é especial no Parque Nacional de Yellowstone, em Wyoming, no Grand Canyon, Colorado, além de Sedona, no Arizona, onde é possível observar a galáxia Andrômeda, a constelação Orion e estrelas binárias.
 

Observe o céu em São Paulo

Ainda que não esteja qualificado com as melhores condições para observação do céu, a Universidade de São Paulo (USP) na capital de São Paulo e no Observatório Abraão de Moraes, na cidade de Valinhos, oferece experiências junto às estrelas que introduzem uma ideia do que podem ser as viagens astronômicas!

Na programação do projeto “Astronomia para Todos”, que acontece na capital, há diversos encontros mensais promovidos por especialistas para conhecer mais sobre os elementos do céu. Mais informações sobre os encontros e forma de agendamento, no link http://www.iag.usp.br/astronomia/paratodos

Na Lua Crescente, o Observatório Abraão de Moraes promove o encontro “Noite com as Estrelas”. Um grupo de até 35 pessoas tem uma aula ao ar livre e dois telescópios para observar a Lua, suas crateras e montanhas, os planetas que estiverem visíveis, aglomerados estelares, nebulosas, estrelas múltiplas, etc. Informações para agendamento, no link http://www.observatorio.iag.usp.br/index.php/ensdiv/noite.html