Palestras, oficinas e o FITS, Fórum Interamericano de Turismo Sustentável, enriqueceram a programação da Adventure Sports Fair

Grandes nomes do mercado de aventura compartilharam conhecimento com o público

A maior feira de aventura da América Latina não é famosa apenas por oferecer atrações interativas e promover interação entre empresas e visitantes. Desde sua primeira edição, em 1999, a Adventure Sports Fair aposta no conhecimento como instrumento para o crescimento do setor e, por isso, promove o Adventure Congress, as Oficinas de Aventura e o FITS, Fórum Interamericano de Turismo Sustentável, que ajudam a fomentar debates importantes sobre modalidades esportivas, cuidados com a saúde, expedições aventureiras e atividades inclusivas.

Adventure Congress

A 17ª edição da feira proporcionou aos visitantes uma extensa programação diária de palestras, com esportistas e especialistas, que discutiram a fundo temas que envolvem o mercado de turismo e aventura.

O tema inclusão, por exemplo, foi explorado por Ana Borges, advogada e instrutora física, e Eduardo Soares, instrutor físico e deficiente visual, durante a palestra “Expedições Inclusivas: Por um Mundo sem Fronteiras”, que tratou das conquistas e desafios do turismo de aventura adaptado. “Temos o intuito de quebrar o paradigma da deficiência. Tudo é uma questão de adaptação”, afirma Ana. Outros exemplos de discussões a respeito do tema foram as palestras “Montanha para Todos”, ministrada por Guilherme Simões e Juliana Tozzi, “Aventura Adaptada”, de Dirceu Pereira Jr, e “Mergulho sem Distinção”, apresentada por Vicente Albanez.

Entre os conceituados palestrantes, alguns nomes se destacam pela fama nas telinhas. A apresentadora de TV e médica Karina Oliani, por exemplo, cativou o público na palestra “Expedições de uma Médica Aventureira”, em que falou sobre seu livro Dharma, que descreve suas histórias de auxílio à comunidades carentes em diversas partes do mundo. Karina estreia no Discovery com o programa Desafio Celebridades, dia 23 de outubro. 

Richard Rasmussen, apresentador do programa semanal Sábado Animal, na Band, também contribuiu para o Adventure Congress. Na palestra “Bastidores Selvagens”, ele dividiu com o público histórias por detrás das câmeras e falou sobre a superação de limites. “A aventura representa um estilo de vida, e é muito complicado fazer essa opção, mas sempre mantive o foco onde eu queria chegar. Temos que sair da nossa zona de conforto”, disse.

O repórter de aventuras Celso Cavallini, famoso por mostrar na TV atividades perigosas, esportes radicais, animais selvagens e treinamentos especiais com forças militares, foi ouvido por uma plateia lotada. Sua divertida palestra “Adrenalina: Aventura e Controle do Medo” propôs traçar um paralelo entre medo, adrenalina e aventura para, segundo ele, “gerar um conhecimento maior sobre nosso corpo, como e porque ele reage aos impulsos”. 

Para somar ao time de celebridades da Adventure Sports Fair, o casal de atores Max Fercondini e Amanda Richter comentou os bastidores de filmagem da série “América do Sul Sobre Rodas”, que nomeou a palestra, exibida aos sábados de manhã pela Globo dentro do programa “Como Será”.  A dupla falou sobre a viagem que fez a bordo de um motorhome por 21 mil quilômetros e seis países em 180 dias.

Outro grande nome presente no Adventure Congress foi Marina Klink, fotógrafa e mulher do grande velejador brasileiro Amyr Klink. Sua palestra “Aventura Sem Fim” ficou lotada.  Em uma fala cheia de emoção e bom-humor, ela contou sua trajetória e falou sobre os prazeres e responsabilidades de seu trabalho. “A grande missão de um fotógrafo de natureza é fazer com que a fotografia vá além da moldura e que a gente consiga trazer a natureza para dentro das casas das pessoas.”

Quando o assunto é montanhismo, o destaque fica por conta do alpinista e líder de expedições Maximo Kausch, que ministrou a palestra “Projeto Andes 6000+”, que apresenta seu projeto, inédito e pioneiro, de escalada de todos os 104 cumes com mais de 6000 metros de altitude dos Andes - altitude máxima desta cordilheira. A escalada de 61 dessas montanhas rendeu a ele o recorde mundial.

Praticante de escalada de montanhas de altitude desde os 17 anos, Maximo alcançou o pico do Himalaya aos 23. A bagagem do alpinista lhe confere competência para apontar os verdadeiros desafios de quem se propõe a atingir altitudes tão extremas. “O mais importante para alguém que escala grandes altitudes não é o condicionamento físico, mas o psicológico. Para atingir a altitude de 6000 metros, nossa cabeça deve estar muito preparada”, afirma.

O geógrafo e montanhista Pedro Hauck, por sua vez, propôs ao público um resgate da história do montanhismo nos Andes, das escaladas realizadas pelos Incas ao conteúdo arqueológico que ficou como legado deste feito, incluindo sua própria experiência em escalar montanhas onde há sítios arqueológicos.

Oficinas de Aventura

Da teoria à prática, as Oficinas de Aventura ofereceram aos visitantes da Adventure Sports Fair a oportunidade de aprender dicas e conhecimentos práticos, seja para melhorar a performance durante uma atividade, a exemplo da aula “Respiração: A Chave para o Controle Emocional”, de Claudia Fa, seja para sair de enrascadas.

Coronel Leite, especialista militar em resgate e salvamento, compartilhar conhecimentos práticos para aventureiros que porventura estiverem em situação de sobrevivência. Na oficina “Ações que Facilitam o Resgate”, o Coronel deu dicas valiosas para seus espectadores. “Muitas pessoas viraram estatística porque não planejaram suas atividades. É importante entender o sistema de busca e resgate”, disse. Manter a calma, auxiliar feridos, plotar a localização e ter sempre à mão um kit de sobrevivência, com lanterna, bússola e rádio, além de usar roupas com cores chamativas, podem ser fundamentais no êxito de uma situação de sobrevivência e resgate – mais comum do que se imagina. O tenente Jefferson Araújo, por sua vez, ministrou a oficina “Sobrevivência na Selva Amazônica”, na qual falou do seu trabalho acompanhando equipes de expedições em Manaus e deu dicas de como conhecer bem a floresta.

O tema montanhismo teve grande espaço, como, por exemplo, na “Oficina para Iniciantes no mundo da Alta Montanha”, com José Eduardo Santor Filho e Lucas Sato. A dupla de montanhistas deu dicas de como se preparar para escalar altas montanhas e falou sobre equipamentos e roupas adequados, noções de altitude e altura, e como lidar com mudanças fisiológicas durante o trajeto. “É preciso planejamento e uma boa logística, além de escolher a montanha certa na sua primeira expedição”, explicou Lucas. 

Na Oficina de Aventura “10 picos antes de completar 11 anos”, o pequeno aventureiro Cauã Dominic Silva, de 10 anos, falou sobre seu objetivo de visitar 10 topos de montanha diferentes antes de seu próximo aniversário. Ao lado do pai, com quem começou a praticar trekking, o garoto comentou as fotografias dos lugares por onde já passou, que incluem o Pico do Jaraguá, a Chapada Diamantina, a Serra da Mantiqueira e o Pico das Agulhas Negras.

Falando em fotografia, o alpinista e fotógrafo Waldemar Niclevicz fez um bate-papo com visitantes da feira sobre suas experiências de escalada e seu novo livro, “O Brasil no Topo do Mundo”, uma espécie de autobiografia fotográfica, com 1.320 fotografias, onde mostra as viagens que fez por diversos países. Durante a oficina, ele revelou uma das características que considera fundamental para montanhistas. “A chave do sucesso é a capacidade que você tem de resolver imprevistos”, disse.

As Oficinas de Aventura contaram ainda com aulas de especialistas como Antonio Calvo, André Schetino, Maximo Kausch, Reinaldo Andraus, Chico, Eliana Garcia, Rodrigo Telles, Emerson Rubinho, Paula Arantes, Flavia Arpini, Edinho Ramon, Ricardo Machion, Renan Cavichi, Wagner Cardoso, Tiago Coraini e Ivan Rodrigues, entre outros, que transformaram a Adventure Sports Fair em uma grande escola.

FITS

Criado a partir da necessidade, identificada pelas principais entidades ambientalistas, de criar discussões sobre temas relacionados à sustentabilidade da atividade turística, o Fórum Interamericano de Turismo Sustentável (FITS) reuniu, em sua 12ª edição, poder público, ONGs, iniciativa privada, academia e público para discutir boas práticas e soluções para a sustentabilidade no turismo.

Durante dois dias, o Fórum propôs debates sobre inovação para negócios sustentáveis, avanços na implementação de boas práticas para a sustentabilidade do turismo, a visitação de Unidades de Conversação como ferramenta para melhorar a gestão, o apoio social e o desenvolvimento do entorno, entre outros assuntos.