novidades do blog

24 Jan

O jornalista, escritor e explorador Guilherme Cavallari dá as dicas para quem quer viajar de bicicleta e indica suas rotas favoritas no Brasil e em países vizinhos. 

Navegue
por categorias

CDC Família Aventura incentiva trilhas com crianças para estreitar convívio com a natureza

Você acha difícil, talvez quase impossível, se jogar na aventura com os filhos para fazer trilhas por alguns dos lugares mais incríveis do Brasil? Precisamos te contar que isso é mais fácil do que parece. O Cauã, de 10 anos, o pai dele, Clayton Souza, e a mulher, Daiane Oliveira, criaram a CDC Família Aventura, no qual fazem o registro de suas viagens, contam histórias e dão dicas.

“A ideia é apresentar um estilo de vida alternativo e reconectar as pessoas com a natureza, de forma prazerosa”, diz Clayton. Para ele, o ambiente urbano e os interesses pelas novas tecnologias têm afastado as pessoas do meio natural. “Queremos mostrar a importância de estarmos na natureza em família e que os esportes de aventura são possíveis de serem praticados com crianças de forma segura e prazerosa. Principalmente, nós queremos mostrar a importância de proteger a natureza, de preservar cada lugar por onde passamos, cada ser vivo que encontramos pelo caminho. Nunca é cedo ou tarde demais para fazermos a diferença.”

As experiências de pai e filho, que conheceram Daiane em uma das viagens, levaram a família ao desafio do Projeto Cauã, 10 Anos 10 Cumes. Cauã começou a fazer trilhas antes dos 3 anos de idade e já se aventurou por diversos lugares, além de ter passado por nove, das dez montanhas do projeto, incluindo a travessia Serra Fina, com 4 dias de duração, na divisa de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Ele fez essa trilha nesse ano, considerada uma das mais difíceis do país. Agora, eles planejam finalizar o projeto com a visita ao Monte Roraima, na fronteira do Brasil com a Venezuela.

Clayton é professor de educação física e sempre incentivou o filho a conviver em meio à natureza. “É preciso despertar o interesse da criança para as questões ambientais. Tudo se torna melhor e mais prazeroso quando aprendemos brincando, por isso, antes de realizarmos uma trilha, buscamos sempre informações a respeito da vegetação, animais, histórias, culturas e curiosidades da região. Não podemos ter pressa com as crianças; tem que ser no ritmo delas, de forma lúdica, aprazível e segura”, explica o pai.

As viagens da família são momentos de brincadeira, lazer e aprendizagem – inclusive, de aprendizagem dos limites do corpo e de como interagir com o meio ambiente. Além de caminhada, eles praticam slackline, escalada, rapel, stand-up paddle, caiaque, tirolesa, entre outros esportes.

A principal dica para os marinheiros de primeira viagem é escolher um lugar tranquilo. A sugestão do Clayton é iniciar a prática em trilhas curtas, dentro de um parque de reserva ambiental. Nesses lugares há passeios de duas, três horas que não precisam de guia, oferecem baixo risco de acidentes e são ótimas oportunidades para testar a sua capacidade física e habilidades motoras. Aos poucos, é possível aumentar o nível de dificuldade, sempre respeitando os próprios limites.

O próximo passo pode ser acampar, mas escolha um camping estruturado, com banheiro, cozinha, etc. Depois de passar por essa experiência (e gostar), você e sua família podem testar acampar em um lugar mais selvagem e fazer caminhadas mais longas.

Então, sacode a poeira e comece a planejar suas aventuras. Aí vão algumas dicas do Clayton:

  • Antes de qualquer coisa, pesquise o lugar e mapeie os serviços de atendimento médico. Em casos de emergência, você saberá exatamente o que fazer e onde ir.
     
  • Repelente será um item indispensável em determinados locais, enquanto um purificador de água pode ser igualmente necessário em outros.
     
  • Kit de primeiros socorros sempre deve estar na sua bagagem, em todas as suas aventuras. É muito importante você conhecer os materiais do seu kit, bem como, saber usá-los quando necessário.
     
  • Respeitar os limites do corpo, especialmente das crianças, que ainda estão em processo de desenvolvimento e precisam de atenção redobrada é essencial. Cauã costuma parar de meia em meia hora nas subidas mais “fortes”, por cerca de 5 ou 10 minutos, para se hidratar e comer algo ou apenas descansar.
     
  • É fundamental estabelecer o horário para os lanches e as refeições, durante as caminhadas mais longas.
     
  • Nada de sair comprando equipamentos ultra-sofisticados antes de experimentar as primeiras trilhas. Para as iniciais, de poucas horas, não é necessário nenhum tipo de equipamento especial. Basta ter roupas confortáveis, disposição e água.
     
  • As roupas especificas só merecem atenção nas trilhas mais longas, em que se fica o dia (ou vários dias) caminhando. Calça, para evitar picadas de insetos e plantas como Urtiga, calçados adequados, e capa de chuva são alguns itens fundamentais. A roupa ideal para uma trilha longa é confortável e leve, para facilitar a transpiração do corpo e a locomoção. Uma sugestão são calças e blusas confeccionadas com poliamida (material usado para uniforme de futebol e corridas), além de boné ou chapéu.
     
  • Atenção nas trilhas mais difíceis e longas. Se você tiver que acampar, lembre-se que terá de caminhar com todo o seu equipamento. A mochila para uma caminhada de três dias, por exemplo, com crianças, não pesa menos que 15 quilos por pessoa. As crianças devem carregar apenas os itens pessoais, como água e capa de chuva. O ideal é que os adultos dividam a carga dos pequenos.
     

Vai lá:

A CDC Família Aventura indica os seguintes blogs: Trekking Brasil (http://www.trekkingbrasil.com/), FuiAcampar(http://fuiacampar.com.br/) e a rede social para aventureiros Aventure Box(https://aventurebox.com/).

Conheça mais sobre o projeto do Cauã, do Clayton e da Daiane.

http://www.cdcfamiliaaventura.com/